Blog da Chris

Professores da FAD elaboram Carta Aberta pelo retorno das atividades

Um grupo de professores da Faculdade de Direito da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (FAD- UERN) se reuniram nesta terça-feira, 20, para avaliar a greve e sugerir alternativas para solução do problema que já ultrapassa os cem dias.

Na ocasião, elaboraram uma Carta Aberta a fim de que ela seja analisada pelos docentes e técnicos administrativos da instituição. No documento os professores pleiteiam o retorno das atividades acadêmicas, ou seja, o fim da greve. Vejam a Carta na íntegra que o Blog da Chris publica em primeira mão:  


CARTA ABERTA ÀS CATEGORIAS E À REITORIA DA UERN         

Estamos em estado de greve há mais de cem dias, motivados pelo legítimo interesse de reivindicar a regularização do pagamento salarial. Todavia, decorrido esse tempo, o Governo não mudou o quadro de atrasos e nem tem demonstrado que o fará a curto prazo, gerando um impasse prejudicial à educação superior no Estado, notadamente à classe discente, que tem ficado órfã do direito constitucional à sua formação profissional, intelectual e crítica.

Embora noutros momentos o instrumento da greve tenha sido eficaz para as conquistas salariais, no momento resta evidenciado que ele não tem se mostrado o mais adequado para conquistarmos os objetivos pautados pelas categorias.

Lembramos aos colegas servidores que vivenciamos um contexto de desvalia e precarização das instituições, não se ignorando um movimento crescente de defensores do Estado mínimo, especialmente no ensino superior.

Aproveitando que o Rio Grande do Norte enfrenta grave crise política e administrativa, esses desestruturadores sociais colocaram indevidamente a UERN em suas “alças de mira”, numa campanha organizada de minimização de sua importância.

É impossível, também, não notar as coincidências entre o caminho da educação e o desenvolvimento das formas de legitimação política moderna. A UERN é um forte elemento de conscientização política da sociedade e de formação profissional, interessando a alguns a sua desmobilização.

Por essa e outras razões, pleiteamos o retorno às atividades acadêmicas, adotando outras posturas combativas em substituição à greve, que ousamos apresentar a seguir:

1 – engajar os alunos e suas famílias na ressignificação da Universidade;

2 – adotar estratégias para ocupação de espaços políticos e decisórios institucionais;

3 – buscar a sustentabilidade econômica da Universidade e a sua viabilização financeira, inclusive mediante a prestação de serviços externos;

4 – retomar a discussão sobre a proposta de autonomia financeira;

5 – promover um conjunto de informações positivas da Universidade (importância econômica, social, cultural), com a construção, divulgação e avaliação de indicadores de eficiência da UERN;

6 – promover seminários regionais temáticos, pontuando as realizações da UERN nos seus 50 anos de existência;

7 – trabalhar com a conscientização política e social sobre o valor da UERN e da própria educação como vetor de desenvolvimento econômico e equalizador social.

Assim, manifestamo-nos pelo RETORNO ÀS ATIVIDADES NA UERN, sem prejuízo da continuidade da luta em defesa dos nossos direitos, mediante novas estratégias.

Mossoró-RN, 20 de fevereiro de 2018.

DOCENTES (FACULDADE DE DIREITO)

Francisco Marcos de Araújo

Lauro Gurgel de Brito

Olavo Hamilton Ayres Freire de Andrade

Raimundo Márcio Ribeiro Lima

Andrea Maria Pedrosa Silva Jales

Clédina Maria Fernandes

Edgleuson Costa Rodrigues

Edmar Eduardo de Moura Vieira

Denise dos Santos Vasconcelos Silva

Marcus Tullius Leite Fernandes dos Santos

José Anselmo de Carvalho

Humberto Henrique Costa Fernandes do Rêgo

Olegário Gurgel Ferreira Gomes

Hamilton Vieira Sobrinho

Francisco Valadares Filho

Sealtiel Duarte de Oliveira

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Twitter